[Resenha] Pinocchio: o perigo das fake news – e por que você não deve julgar pelo episódio 1

Pinocchio é um dorama sobre jornalismo. É uma famosa série de 20 episódios de 2014, exibida na SBS, que conta a história de uma garota (Park Shin Hye) que possui a “Síndrome do Pinocchio”, uma condição psicológica que a faz soluçar quando conta mentiras. Seu sonho é ser jornalista, mas a mídia foi responsável por uma notícia mal contada, que repercutiu em disseminação de fake news que destruíram a vida de seu melhor amigo (Lee Jong Suk). Poderia ela tornar-se uma jornalista cruel passando por cima dos sentimentos dele? Seria seu amigo capaz de usá-la para desvendar a verdade de seu passado e limpar o nome de sua família?

É em volta disso que a história se desenvolve. O roteiro é de Park Hye Ryun, que também escreveu Enquanto Você Dormia (2017), Page Turner (2016), I Can Hear Your Voice (2013) e o grande sucesso com jovens idols Dream High/Sonhe Alto (2011). A direção é de Jo Soo Won, que também dirigiu I Can Hear Your Voice, da mesma autora, e 30, Mas 17. A julgar pela coordenação técnica, é possível imaginar os erros e acertos da trama de Pinocchio, que traz o melhor e o pior dessas tramas, que no final sai uma mistura satisfatória.

Para iniciar, essa série tem um problema grave que é começar de maneira confusa, em uma comédia duvidosa, apresentando a trama de forma cronologicamente bagunçada e relações não muito bem estabelecidas. A história de verdade vai começar só na vida deles pós-faculdade, mas os primeiros episódios exploram a época do ensino médio com um humor escrachado (é engraçado, mas bem estranho!) e alguns flashbacks de infância. Essa bagunça espanta um pouco porque traz ares de dramas antigos e datados de comédia, como Dream High, escondendo um suspense pra lá de interessante, como Enquanto Você Dormia. Por isso, meu primeiro conselho é: calma que melhora e tudo isso vai fazer algum sentido.

Elenco

Se você é hater da atuação da Park Shin Hye (mocinha que beija de olhos abertos em Herdeiros, Heartstrings You’re Beautiful…), pode ficar tranquilo também porque além de ela estar bem melhor aqui, ela também vai perdendo protagonismo para o Lee Jon Suk (Romance is a Bonus Book, Enquanto Você Dormia, W, I Can Hear Your Voice) e, sinceramente, acho que é um bom drama para amenizar o ranço deixado pela inexpressividade dos títulos anteriores.

Isso acontece porque nosso mocinho dá o tom de equilíbrio necessário e está em um de seus melhores papéis. Suas emoções são muito críveis, o choro parece verdadeiro e ele acabava engolindo a história e trazendo personalidade e peso para uma trama que poderia se tornar só uma comédia romântica bem bobinha. É ele quem traz a carga dramática e o senso de urgência, mas a personagem de Shin Hye também tem seu tempo para desenvolver-se sozinha.

Há vários jornalistas e estagiários bem carismáticos nesse meio, mas meus destaques ficam para uma personagem totalmente duas caras, cuja aparência não condiz com sua personalidade. Achei muito inesperada a escolha e traz bem uma agradável surpresa no campo de vilões.

Dos veteranos, o meu favorito foi o do arquinho (Min Sung Wook), o jornalista mal humorado e insuportavelmente perfeccionista, que me lembrou antigas criaturas que eu presenciei nas redações de jornalismo. O ator chegou a comentar em entrevista que seu visual era para retratar jornalistas de verdade e que a tiara era um artifício para mostrar o rosto e conquistar a confiança da audiência. Achei um detalhe muito interessante.

A personagem Yoo Rae (Lee Yubi) também me agradou muito. Era fofinha, mas meio insana, torci muito por ela, mas é uma frustração que tenho com a trama – ela merecia um desfecho melhor. Tudo bem, ela era stalker, obsessiva e maníaca, mas se tivessem dando uma oportunidade, sei que ela poderia brilhar na história e se desenvolver melhor. Fiquei com muita vontade de vê-la como protagonista – se você também ficar com essa impressão, ela atuou em “Somehow 18”, 2017, e “A Poem A Day”, em 2018.

O melhor e o pior de Pinocchio

A princípio, Pinocchio é muito esquisito. Parece só uma comédia romântica boba colegial, com uma relação pra lá de estranha da menina com um rapaz da mesma idade que por algum motivo bizarro ela chama de “tio”. Não vou mentir que a vontade de desistir de ver a série era grande no início, mas a paciência traz muitas recompensas. A maior parte do que achei ruim na série está no começo, tem a ver com comédia do absurdo e também com o o início daquele romance morninho, que parece tão água com açúcar, forçado e incestuoso, até que você entende como funciona aquela família.

A melhor parte acontece durante uma passagem de tempo, quando ambos decidem procurar emprego. Ali começa uma crescente. Conforme a série vai mostrando suas cores mais escuras e o envolve até o final. O melhor da série, para mim, passa muito longe do romance trivial, que para mim podia não ter que não me faria diferente. É o suspense envolvendo o passado passado de Choi Dal Po e quem é a mãe de Choi In Ha que sustentam a série, num tom vingativo, com escolhas morais difíceis para o personagem principal, que fica entre o que ele planejou por anos e o que poderia ferir para sempre sua melhor amiga e amor. É um dos mistérios mais instigantes que já tinha visto em um drama que se propõe a ser uma comédia romântica.

Outro ponto muito acertado de Pinocchio é o tema das fake news, que é tão atual. Apesar de algumas coisas beeeem fantasiosas sobre o mundo jornalístico, existe um lado muito interessante e real sobre os bastidores das grandes empresas da mídia, então se você quer ser jornalista, há algumas coisas bem legais para tirar de lá. Foi bem nostálgico e satisfatório ver o corre-corre dos estagiários fazendo plantão, buscando pautas inovadoras em delegacias e a corrida para vencer os adversários publicando a notícia antes, ou se virando para conseguir declaração de fontes no deadline. Tudo isso têm muito a ver com a realidade e me fez sentir um certo carinho pela série por causa de meus tempos de foca (termo jornalístico antigo para jornalistas novatos).

Conclusão

A grande sacada do Pinocchio é que, enquanto eu, pessoalmente, achei a parte de romance bem chatinha e dispensável, ela pode ser, sim, bem amável e encantadora para uma parte da audiência que se contenta com casaizinhos fofos. Não vou mentir, eles são fofinhos sim. E isso pode ganhar você. Porém, mesmo se detestar o casal, também tem material para você com uma baita história de suspense, com muitas pecinhas do quebra-cabeça. Não vou dizer que não tem falhas, mas é daquele tipo novelão das 9 que o mais legal é descobrir o que aconteceu do que de fato ter em mãos a história pronta, sabe? Além disso, surpreendentemente, quando você passa por toda a parte da comédia e convivência do ensino médio, você é capaz de entender um verdadeiro dilema moral bem interessante do protagonista.

A abordagem da Mídia e colocar jornalistas e, principalmente, estudantes e ESTAGIÁRIOS de jornalismo, como personagens principais, mostrando processos seletivos, a rotina de uma redação, e as hierarquias e linhas editoriais de cada empresa achei algo bem diferente no meio dos dramas e muito divertido de assistir. O tema das fake news também te faz pensar e é tão importante que foi abordado lá em 2014, mas estamos discutindo isso até nos dias atuais.

Por isso, mesmo com seus erros, considero uma série imperdível, por seu caráter único difícil de copiar. Ainda que não seja consistente em excelência, possui elementos inesquecíveis e raramente explorados.

Nota: ⭐⭐⭐⭐

O que ver a seguir?

Sem dúvidas, Enquanto Você Dormia é uma versão melhorada e mais bem costurada, removendo falhas de Pinocchio e com um toque sobrenatural. Não é a mesma história, mas traz a parte do suspense muito bem feita, com um romance mais natural e o mesmo ator principal.

Se você quiser ver uma série mais focada nessa busca pelo sucesso profissional, enquanto os personagens se dão mal em entrevistas de emprego e bicos, Lutando Pelo Meu Caminho pode ser uma boa pedida.

2 comentários em “[Resenha] Pinocchio: o perigo das fake news – e por que você não deve julgar pelo episódio 1

Adicione o seu

  1. Tenho um carinho especial por Pinocchio porque foi o meu primeiro drama coreano. Acho que o assisti no início de 2017 (confundo um pouco a data) após minha filha insistir. Resultado? Gostei muito! É meio estranho no início (mesmo assim tive vontade de continuar a assistir), você descreveu muito bem. Depois de vários dramas, ainda está na minha lista de favoritos. Enquanto você dormia é ótimo. Lee Jong Suk é um dos meus atores favoritos. Amei Romance is a bonus book.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Que legal!!!! Minha mãe também vê doramas comigo. ♥
      Sim, Pinóquio tem uma coisa especial, uma trama só dele, que mesmo com o tempo continua lá, sendo único. Não consigo pensar em outro com uma temática igual. É impressionante pensar que foi feito em 2014. Tenho certeza que vai resistir bastante ao tempo.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: