Resenha de Mr. Sunshine: uma pintura cinematográfica e histórica da autora de O Rei Eterno

Dorama do Netflix e da tvN, Mr. Sunshine: Um Raio de Sol (2018) é uma série épica que conta a história de um escravo refugiado da Coreia no período Joseon que se torna um militar em missão diplomática pelos EUA e volta a seu país de origem que se encontra em uma situação turbulenta de disputas de interesses em meio a uma guerra iminente. Lá ele encontra uma nobre revolucionária que recusa a aceitar seu papel imposto pela sociedade e luta por seu país em segredo.

Antes de mais nada, embora esta seja uma história de romance, não é uma comédia romântica. Bem longe disso. É um épico ambientado na guerra, que fala sobre um período da história da Coreia antes de sua separação. O tempo todo os personagens tentam alertá-lo para um possível “sad ending”, enquanto buscam maneiras de alcançar um futuro melhor. Também não é um drama de ação focado em batalhas. O clima é bastante moroso e parece que “não acontece nada” em vários episódios, mas não se engane – se enjoar, pare um pouco e volte depois, porque vale a pena.

A história é da Kim Eun Sook, uma roteirista famosa por trabalhos como *Goblin, Descendentes do Sol, Herdeiros, e, mais recentemente, O Rei Eterno. Mr. Sunshine marca uma espécie de “nova era” na escrita dela e é diferente de todos os trabalhos que ela já fez, encontrando-se no meio do caminho entre Goblin e O Rei Eterno, mas substituindo o sobrenatural por um clima de poesia estética que preenche os vazios dos espaços de natureza do cenário. A direção é de Jung Ji Hyun. e do Lee Eung Book, que dirigiu Goblin e Descendants of the Sun.

O elenco

Aeshin é interpretada por Kim Taeri, que fez a criada Sookhee do filme premiado A Criada (2016) – não o veja com sua família na sala. Pequena, com face frágil e olhos grandes, não é sua típica mocinha indefesa em um castelo. É uma chama crepitante da liberdade, que embora venha de um local de privilégios, utiliza-os para um ideal. Na minha concepção, ela é a representação da própria história da Coreia, e suas transformações ao longo da trama coincidem com as mudanças sofridas pelo país no período: ela vem de um lugar de nobreza de Joseon, depois é obrigada a enfrentar adversários, angariar aliados e, mesmo com as perdas sofridas, não se permite desistir pela esperança de dias melhores.

Eugene Choi é Lee Byung Hun, que tem um currículo gigantesco de filmes e séries, entre os quais destaco: IRIS (porque entrou no catálogo do Netflix), Beautiful Days, All In, Bungee Jumping of Their Own e Bitterseet Life. Ele é um militar americano, que fugiu da Coreia quando era criança após seus pais serem assassinados. Ele sofre uma forte crise de identidade, já que seu país o renegou por ser filho de escravos, enquanto os EUA não o aceitam como um americano de verdade. Seus acertos são atribuídos a “Eugene”, seus erros, a “Choi”. Sua busca durante a trama é de identidade: a quem deve sua lealdade? Seu país onde nasceu ou aquele que o criou? Seu personagem vive um dilema de não pertencimento, mágoa e uma trilha de vingança contra um sistema em colapso da nobreza coreana.

Além dos protagonistas, muitos personagens têm peso, relevância e desenvolvimento. A trama funciona por pequenos núcleos entrelaçados, com personalidades dificilmente ignoradas. Vou citar apenas alguns destaques.

Hina é interpretada por Kim Min Jung, de “My Fellow Citizens” – com o Siwon do Super Junior, e entrou em junho de 2020 no Netflix. Dona de um hotel e casa de entretenimento que recebe, no mesmo lugar, aliados e adversários, Hina é, possivelmente, a personagem mais inteligente de Mr. Sunshine. Resiliente, sagaz, sedutora e com uma alta capacidade de manipulação e sobrevivência, esta personagem tem tantas camadas que, sozinha, já seria um ótimo motivo para assistir à série.

Kim Hee Sung, interpretado por Byun Yo Han (“Six Flying Dragons”), é um boêmio nobre que você começa odiando, mas com o tempo, é possível compreender o universo no qual ele foi criado e as transformações do personagem. É uma jornada de culpa, tomada de responsabilidade e ação muito interessante de assistir.

Por último (e infelizmente, pois eu poderia falar de alguns outros), Dong Mae (Yoo Yeon Seok – Hospital Playlist, Dr. Romantic, Architecture 101) é um samurai chefe de uma gangue, que começa como vilão, mas devido às polêmicas com o Japão e as críticas recebidas, teve sua história completamente modificada e se torna um personagem interessante, incompreendido e sem um lugar no mundo após uma vida de poucas escolhas.

Dentro do núcleo de cada um desses, há também vários outros personagens menores que são igualmente carismáticos e apaixonantes, como os cuidadores de Aeshin (Lee Jung Eun – que fez Parasita, vencedor do Oscar 2019- e Shin Jung Keun, de Hotel del Luna), ou a cartomante companheira de Dong Mae, Hotaru (Kim Yong Ji, que apareceu recentemente em O Rei Eterno), além de vilões absurdamente odiosos, como Lee Wanik (Kim Eui Sung, que fez Memórias de Alhambra, My Fellow Citizens e Arthdal Chronicles).

Ufa!

Desejo queimar intensamente, depois murchar. Como uma chama. Eu tenho medo da morte, mas me decidi.

Além de tudo isso, a trilha sonora é simplesmente espetacular e inesquecível, seja a parte instrumental de violoncelo e piano, sejam as canções que trazem uma melancolia palpável nas letras e que penetram nos ouvidos com os sentimentos dos personagens traduzidos em inglês e coreano. É arrepiante, do começo ao fim. Por isso deixo um link para uma playlist no Spotify abaixo.

E o final, é satisfatório? Se eu pudesse mudar algo, seriam: uma falta (você sabe do que eu estou falando) e o maior spoiler da série, mais especificamente a maneira como isso acontece, pois achei abrupta e aleatória. Mas será que é um “sad ending“, como os personagens mencionam o tempo todo? Digamos que a história lhe dá todas as pistas que você precisa saber para tirar suas conclusões, mas nem assim é o suficiente para prever o que vai acontecer. Pessoalmente, depois de desidratar horas depois de já ter finalizado a história, acredito que Mr. Sunshine é, assim como o ativismo das pessoas que acreditam em um ideal, sobre a sua jornada e a luta motivada pela possibilidade de dias melhores e a certeza de que sua alma encontrou um propósito que serve como a chama para manter sua vida. Dito isso, acho que o sentimento que fica quando a última cena acaba é uma ilusão à sensação de toda uma população com sonho de independência.

Mr. Sunshine é um dos melhores doramas já produzidos em todos os aspectos. Uma obra de arte que, como tal, não pode ser vista de forma leviana ou casual. É feita para apreciar cada episódio, que parece um filme próprio, em duração e também na produção, com cenários de tirar o fôlego e uma cinematografia hipnotizante. O realismo cru de certos acontecimentos conversam com a frieza de uma guerra e transportam o espectador para um surto de empatia imediata com a história da Coreia do Sul em um de seus períodos mais dolorosos e que nos faz entender a persistente rixa e as polêmicas diplomáticas entre Japão e Coreia do Sul.

Se a vida é uma flor projetada para murchar, desejo que a minha floresça como fogos de artifício.

Caso tenha ficado interessado por esse período da história ou o que acontece depois, tente ver “Louvor à Morte“, um dorama curto, que não tem relação direta com Mr. Sunshine, mas que é baseado em fatos e localizado em um momento imediatamente após os acontecimentos ali mostrados.

Vale muito a pena também conferir outros trabalhos da Kim Eun Sook. São diferentes, mais leves, mas também especiais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: