O Rei Eterno: primeiras impressões

O Rei Eterno, ou The King: Eternal Monarch, é mais um drama coreano que promete ser um grande sucesso do Netflix. O motivo do hype? O roteiro de Kim Eun Sook, de inúmeros sucessos inesquecíveis (como Goblin e Mr. Sunshine, confira aqui a lista).

Leia a resenha completa clicando aqui

A história parece um pouco confusa no começo, mas a ideia é ir juntando as peças – e provavelmente quando isso acontecer, muitas lágrimas serão derramadas. Isso porque temos linhas temporais cruzadas de dois mundos paralelos: a República da Coreia, como conhecemos, e o Reino da Coreia, em uma realidade alternativa na qual o príncipe Sohyeon não tornou-se refém da dinastia Qing, não houve colonialismo japonês e a monarquia perdurou até os dias de hoje. Os personagens existem nos dois mundos, com suas versões diferentes.

Com uma sensação misturada de Goblin (pelo sobrenatural de amor através do tempo) e Mr. Sunshine (pelo tema histórico e os episódios LINDOS que parecem filmes), o “Rei Eterno” veio para marcar sua história. Embora seja cedo para comemorar, a série começa bem nos quatro primeiros episódios, especialmente para quem conhece o estilo da autora. O início é lento, até “chato” para alguns, para que haja uma construção e ambientação consistentes para que seja possível se importar com a trama que está por vir. O Rei Eterno tem entregado cenas instigantes a cada semana, mas assim como em Mr. Sunshin, o episódio tem uma sensação longa, de filme mesmo.

Personagens

De protagonistas temos Lee Min Ho, o queridinho da Coreia, que está de volta em seu primeiro trabalho após servir o exército (e podemos já afirmar que o tempo e a experiência fizeram muito bem para ele) e Kim Go Eun, quem eu simplesmente detestei fazendo o papel da protagonista de Goblin, mas que está bem mais madura e gostável neste como a policial Tae Eul. A personagem é uma mulher dona de si.

O que os une: Lee Gon encontrou um crachá da policial Tae Eul ao ser salvo quando criança e atribuiu a ela seu salvamento. Ele nunca conseguiu reencontrá-la, até que, um dia, ao atravessar um portal mágico na floresta, ele é transportado para o mundo dela, que obviamente não acredita nessa história de que ele é um rei. Tornam-se então, aquela relação clássica conturbada e deliciosa dos doramas. Uma pequena crítica é que não achei muito crível o “amor” dele no início, mas acho que com o passar dos episódios, e considerando o quanto ele foi solitário e que acredita que essa mulher o salvou, faz até sentido.

Os secundários também prometem. Logo de cara temos o “tio” de K2, Lee Jung Jin, fazendo um vilão daqueles! Woo Do Hwan (“Meu País”, também no Netflix, e “Tempted”) arrasa corações no papel de um segurança que traz ares do personagem de Jin Goo do Descendants of The Sun (aquele super sério que namorava a filha do chefe). Menção honrosa para o menininho lindo que fez o rei quando mais jovem – Jeong Hyun Jun fez “Queen For Seven Days” (2019) e o filho mais novo da família Park em “Parasita” (2019); ainda vamos ouvir falar dele crescido!

Mais uma curiosidade: lembram da Hotaru, a cartomante do Mr. Sunshine que não fala? A atriz Kim Yong Ji voltou, como social media fanfiqueira do palácio no mundo do Reino da Coreia, e uma das amigas de Tae Eul no atual.

Elementos da história

Dentre todas as características de histórias da autora, vamos à checagem da receita de sucesso: protagonistas de peso? Temos. Trilha sonora instrumental e cantada marcantes para nos fazer chorar muito? Temos, mas ainda não foi muito usada. Cinematografia saída de uma pintura? Temos, equipe técnica que já trabalhou com a autora está de volta. Elementos de sobrenatural para tornar o romance ainda mais doloroso, trágico e triste? Temos muito, universos paralelos, poderes, imortalidade, controle do tempo… Personagens carismáticos com trama engraçada, ao mesmo tempo que dramática? Também!

“O Rei Eterno” não decepciona nos primeiros episódios – e eu não estou preparada para ser decepcionada, viu senhora Kim? Porém, a senhora não me engana mais e eu sei que algo horrível vai acontecer com um dos dois. Vamos continuar acompanhando! Estou com altas expectativas, e você?

Leia a resenha completa clicando aqui

18 comentários em “O Rei Eterno: primeiras impressões

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: